quinta-feira

Gato preto


Tita e Cacá passeavam na feira, no setor de pequenos animais. Tita estava eufórica: tinha permissão da mãe para escolher um gatinho de presente.

Tita queria um filhote, há muito tempo. As opções eram muitas: gatos malhados, brancos, pretos, cinzas. As duas meninas pararam em frente a uma das bancas e um lindo gato preto veio ao encontro delas. Começou a se esfregar em Cacá através da grade e quando foi para o lado de Tita, a menina deu um pulo:

- Gato preto, não! Dá azar!

Cacá se espantou com a amiga e indagou:

- Você acha mesmo que a cor do gato pode influenciar nos acontecimentos de sua vida?

Tita ficou muda. Cacá continuou:

- Pensa um pouco! Vai dizer que, quando você chega em um lugar, pisa com o pé direito primeiro? E quem não tem o pé direito, só o esquerdo, está destinado a ter azar a vida toda?

Enquanto Tita continuava calada, elas continuaram a caminhar, e a olhar os animais. 

Gostaram muito dos peixes coloridos que nadavam em um lindo aquário. 


- Peixe e gato não, né Tita? Vai que o seu gato come o seu peixe no jantar.

- Isola! Disse Tita, batendo em uma cadeira de madeira que estava próxima. 

Cacá riu, pensando que bater na madeira não altera o destino, mas nada disse.

- Tá bom! Sou supersticiosa e daí? O problema é meu!

- Com certeza é um problema seu! - disse sério Cacá. Meu é que não é! Eu uso a cabeça, e analiso as coisas, antes de acreditar nelas. Sei que a cor da roupa não traz sorte, azar, dinheiro ou amor. Também não leio horóscopo!


Tita lia o horóscopo todos os dias, antes de sair de casa.

- Imagina se todas as pessoas nascidas em tal época ou mês do ano vão ter o mesmo destino! Pensa um pouco, Tita!

A menina estava um pouco vermelha agora, e Cacá não sabia se era de raiva ou de vergonha por acreditar em crendices sem pensar a respeito.

- Se todos pensarem como você, nenhum gatinho preto vai ganhar um novo lar... As nossas escolhas é que determinam o nosso destino. Optar pela honestidade, alegria, ética, caridade é que traz bons acontecimentos em nossa vida.

- Mas pensar no mal atrai o mal - retrucou Tita.

- E pensar e fazer o bem atrai o bem. É a Lei de Causa e Efeito, que a Doutrina Espírita explica. Essa lei faz parte do amor, da sabedoria e da justiça de Deus. Amuletos ou supertições não atraem ou repelem coisa alguma. O que faz isso é o pensamento, pois se eu achar que o meu dia vai ser ruim porque eu vi um gato preto, posso me convencer disso e tornar o meu dia péssimo. Mas será por escolha minha, o gato ou a cor dele nada tem a ver com isso.

- Pensando assim, acho que você tem razão... pensou alto Tita.

- É claro que tenho. Já é hora de deixar essas bobagens de lado e assumir a responsabilidade pelas escolhas que fizemos. A felicidade é uma escolha nossa, e depende das nossas atitudes.

Apesar da conversa, ainda levaria algum tempo para que Tita mudasse a sua forma de pensar, mas escolher um gatinho preto como presente foi um grande passo para deixar de lado as superstições e começar a refletir em que acreditar como verdades. 

O lindo gatinho preto, de nome Calvin, correspondeu ao afeto recebido, tornando-se um grande amigo e companheiro de muitas alegrias e brincadeiras.



Claudia Schmidt 

3 comentários:

Pequeno Príncipe disse...

Soninha, não conhecia esse blog das gatinhas!Uma linda semana!
Beijinhos v
Pedro e Amara

eva disse...

Muito boa a historinha. Acabar com o preconceito é fundamental.
beijos

Mily Mingau disse...

Amo gatinhos pretos, preconceito é uma coisa muito feia tipica do ser humana em que os animais desconhecem.