segunda-feira

A história da minha gatinha "carmen"

Carmen no dia em que a encontramos

Em uma manhã de sábado, indo para o meu sítio, após uma noite chuvosa, logo no início do percurso pela estrada vicinal de terra na cidade de Alumínio, dando passagem para um carro que vinha em sentido contrário (trecho muito estreito da estrada), minha amiga Vanda que estava junto comigo, e também meu gatinho Alfredo, me disse que havia visto uma bolinha de pelos à margem da estrada. Parei o carro, dei a marcha ré e vimos que era um gatinho minúsculo. Como estava aparentemente inerte, nos aproximamos para verificar e, tivemos a grata surpresa ao vê-lo levantar a cabeça em nossa direção. Naquele momento nem pensamos em outra possibilidade a não ser levá-lo conosco. 

Carmen em tratamento

No caminho, embora estivéssemos muito felizes pelo gatinho, o Alfredo, não mostrava muita satisfação com o novo tripulante...Chegando no sítio, oferecemos ao gatinho um pouco de ração umidecida no leite. O danadinho devia estar com uma fome tremenda pois, entrou dentro da vasilha e comia com voracidade. Até então não sabíamos se era macho ou fêmea. Após alimentá-lo e limpá-lo da terra vermelha, procuramos mantê-lo aquecido pois o dia estava muito frio e ele estava com febre. Aí, com a barriguinha cheia, ele adormeceu tranquilo. Diante dessa nova situação, decidimos voltar para São Paulo e procurar auxílio médico para o pequenino

Ligamos para a Veterinária Dra. Sylma Verardi Cabral, a "pediatra" que trata de todos os nossos bichinhos, e após relatamos o fato, ela prontamente nos atendeu naquela tarde chuvosa, e nos informou que o gatinho era uma gatinha. Então a batizamos com o nome de Carmen... Estava tão fraquinha que a Veterinária nos disse que, se nós não a tivéssemos recolhido e dado assistência, ela com certeza morreria antes do anoitecer... O estado dela era tão delicado que ela não pôde tomar os antibióticos necessários, pois estava tão fraquinha, que a medicação poderia matá-la... Foi preciso então alimentá-la bem por uma semana para que ela ficasse um pouco mais forte, para depois entrar com a medicação. A Dra Sylma nos avisou da possibilidade da gatinha não resistir a primeira semana, porém, se Deus a colocou em nosso caminho, após a perda dos nossos cães Tigre e Buratê, seria para nos dar conforto e não tristeza...

Carmen na primeira semana

Passamos a cuidar da Carmen no que foi preciso: exames, remédios, vitaminas, vacinas, tudo com muito amor, carinho e fé em Deus que ela iria superar todas as dificuldades, as quais não eram poucas...

Carmen vencendo dificuldades

O tempo foi passando e a Carmen ficava cada dia mais saudável e ainda mais bonita.Passados mais ou menos cinco anos, ela apresentou a deficiência renal e quase nos deixou, chegando a ficar internada na UTI de uma Clínica Veterinária. Lutamos juntas, Carmen e eu por dois anos, e por Deus e somente por Ele, minha gatinha foi agraciada com mais uma chance de vida, e, embora ela seja uma gatinha renal, vive muito bem e feliz em plena harmonia com toda a família, principalmente com o Alfredo, porque um não fica sem o outro (para quem no início, não ficou muito satisfeito com a presença da Carmen...)...

Carmen após um ano

Atualmente, a Carmen não precisa fazer mais soroterapia, porque a deficiência renal que ela tem está controlada com o acompanhamento da Dra Sylma e, com um chá fitoterápico que dou para ela todos os dias, de manhã e a noite. Este chá está substituindo as longas e infindáveis sessões de soro que ela precisaria fazer todos os dias, enquanto viver. Como Deus é bondoso... Nós sempre ficaremos devendo muito para o "Papai do Céu", não sei nem se merecemos, mas com certeza, a Carminho merece muito, porque ela veio para nos mostrar que o milagre de Deus é real!!!

Carmen saudável linda e amada.


Carmen e alfredo, grandes amigos.

Um comentário:

Mily Mingau disse...

Carmem Linda voce tem uma grande história felicidades nesta etapa da sua vida!